NOTÍCIAS | Até que ponto o trabalho é prioridade na sua vida?

Até que ponto o trabalho é prioridade na sua vida?

Folha de Pagamento

Postado em 20-03-2009

Ultimamente, como você tem se comportado, no que se refere ao trabalho? Você fala do seu emprego o tempo todo? A sua vida social e pessoal foi deixada de lado? Como descobrir se o trabalho virou um excesso na sua vida?

De acordo com o gerente de projetos do Grupo Soma, Paulo Ishimaru, o trabalho sempre tem de ser levado a sério, entretanto, nunca o profissional deve deixar de lado a preocupação com seu bem-estar.

Cuidados com a saúde, como a prática de esportes; o lazer; o aprimoramento profissional; e, sem dúvida, o tempo para a família e os amigos têm de ser prioridades, pois, quando todos esses elementos estão bem, o seu trabalho também estará”.

O segredo
Segundo Ishimaru, muitas vezes, o profissional não consegue organizar seu tempo e isso faz com que perca todo o controle que ele teria sobre a sua vida pessoal e profissional. “Administrar o tempo, estabelecendo prioridades, é o melhor caminho para a pessoa não perder de vista sua vida pessoal”.

Na opinião de Ishimaru, outro fato que deve ser levado em conta, nos casos do excesso de trabalho, é o momento profissional do indivíduo, seja ele autônomo ou colaborador.

“Em algumas ocasiões, haverá a sazonalidade de trabalho, ora pela entrada de um novo cliente para empresa, um novo pedido de serviço, uma fusão ora por tantas outras variáveis. O importante é já ter em vista uma programação de atividades ou um plano de contingência, para enfrentar esses momentos de maior fluxo de trabalho.”

Porém, Ishimaru alerta que, se o problema for frequente, o profissional ou o departamento de Recursos Humanos da empresa devem monitorar a necessidade de contratação de um novo colaborador, para que o trabalho seja realizado com todo respeito à capacidade física e mental do seu quadro de funcionários.

Excesso de trabalho e reconhecimento
Muitos profissionais podem acreditar que, por trabalhar em excesso, os seus líderes irão reconhecer seu esforço. Mas nem sempre isso é verdade.

“Se o profissional trabalha demais, por necessidade da empresa, com certeza seus superiores vão enxergar com bons olhos essa iniciativa. Mas, se a pessoa estiver trabalhando demais por falta de capacidade de realizar sua jornada normal de trabalho, seus superiores, ao contrário da primeira situação, irão desvalorizá-la, pois ela estará consumindo horas adicionais da empresa em uma atividade que deveria estar pronta. Neste caso, há um impacto direto para a empresa, pois ela terá de pagar horas extras desnecessárias”.

Ishimaru ressalta ainda que os colegas de trabalho, mais próximos, saberão claramente se a pessoa está com dificuldades profissionais, e isso pode gerar um desconforto na equipe.

Prejuízos
Além dos possíveis problemas de saúde, o trabalho demasiado também pode causar prejuízos na carreira.

“No âmbito profissional, essa pessoa pode perder oportunidades internas de alcance de metas ou de treinamento e aperfeiçoamento, e isso pode acarretar a sua estagnação”, diz Ishimaru.

Como mudar
Para Ishimaru, a melhor forma de mudar essa situação de trabalho em excesso é buscando uma solução em parceria com a empresa.

“Buscar, em conjunto com a empresa, a melhor forma de realizar suas tarefas, seja com a contratação de novos colaboradores seja buscando mecanismos de otimização de tempo, por meio de novas práticas ou tecnologias, é o melhor a ser feito”, finaliza.

Por: Luana Cristina de Lima Magalhães
20/03/09 – 16h29
InfoMoney

Comments


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *